“O Ser real é constituído de corpo, mente e espírito. Dessa forma, uma abordagem psicológica para ser verdadeiramente eficaz deve ter uma visão holística do ser, tratando de seu corpo (físico e periespirítico), de sua mente (consciente, inconsciente e subconsciente) e de seu espírito imortal que traz consigo uma bagagem de experiências anteriores à presente existência e está caminhando para a perfeição Divina.” Joanna de Ângelis

A REENCARNAÇÃO DOS SUICIDAS

Entrevista de Chico Xavier ao Programa de Hebe Camargo, com a participação de Nair Bello TV Bandei rantes, 20 de dezembro de 1985 - Livro JESUS EM NÓS Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito Emmanuel.


NAIR BELLO – Chico, um filho excepcional é um carma, uma prova para os pais?

CHICO XAVIER – Nair, a criança excepcional sempre me impressionou pelo sofrimento de que ela é portadora,  não somente em se tratando dela mesma, mas, também, dos pais e isso tem sido o tema de várias conversações minhas com nosso Emmanuel, que é o guia espiritual de nossas tarefas, e ele, então, diz que, regra geral, a criança excepcional é o suicida reencarnado, reencarnado depois de um suicídio recente, porque a pessoa quando pensa que se aniquila, está apenas estragando ou perdendo a roupa que a Providência Divina permite de que ela se sirva durante a existência, que é o corpo físico.

A verdade é que ela em si é um corpo espiritual; então, os remanescentes do suicídio acompanham a criatura que praticou a autodestruição para a vida do Mais Além Lá ela se demora algum tempo amparada por amigos que toda criatura tem, afeições por toda parte, mas volta à Terra com os remanescentes que ela levou daqui mesmo, após o suicídio.

Se uma pessoa espatifou o crânio e se o projétil atingiu o centro da fala, ela volta com a mudez. Se atingiu apenas o centro da visão, ela volta cega, mas se atingiu determinadas regiões mais complexas do cérebro, ela vem em plena idiotia e aí os centros fisiológicos não funcionam.

A Endocrinologia teria de fazer um capítulo especial para estudar uma criança surda, muda, cega, paralítica, porque aí a criatura feriu a vida no santuário da vida que é a parte mais delicada do cérebro.

Se ela suicidou-se, mergulhando- se em águas profundas, ela vem com a disposição para o enfisema, um enfisema infantil ou da mocidade, ou dos primeiros dias da vida. Se ela, por exemplo, se enforcou, ela vem com a paraplegia, depois de uma simples queda que toda criança cai do colo da ama, do colo da mãezinha; então, quando o processo é de enforcamento, a vértebra que foi deslocada, no enforcamento, vem mais fraca e, numa simples queda, a criança é acometida pela paraplegia.

E nós vamos por aí. Outras crianças que vêm completamente perturbadas; a esquizofrenia, por exemplo, diz-se que é o suicídio, depois do homicídio. O complexo de culpa adquire dimensões tamanhas que o quimismo do cérebro se modifica e vem a esquizofrenia como uma doença verificável, porque através dos líquidos expelidos pelo corpo é possível detectar os princípios da esquizofrenia. Mas a esquizofrenia é o homicida que se fez suicida, porque o complexo de culpa é tão grande, o remorso é tão terrível que aquilo se reflete na própria vida física da criatura durante algum tempo ou muito tempo. 

2 comentários:

  1. Ola Sra. S
    Muito interessante esta postagem. Acho que tem-se aí uma hipótese explicativa para algumas doenças mentais, mas certamente carecemos de uma compreensão mais detalhada destes fenômenos. Tenho certa dificuldade em aceitar as correlações lineares de causa e efeito em se tratando de doenças mentais, do tipo: suicidou-se, então vai nascer sempre com determinada doença. Mas sem dúvida que a busca pelas causas morais de nossas doenças em vidas pretéritas é a única forma justa e eticamente compreensível dos padecimentos humanos. Esperemos mais notícias a respeito, aguardando o critério da universalidade dos ensinamentos dos espíritos.

    um abraço

    ResponderExcluir
  2. Sem dúvida, sabemos que na gênese da doença mental há um complexo multicausal. Acredito que nosso Chico encontrou uma forma simples de explicar, para que compreendêssemos as leis de causa e efeito e a bondade do Pai Maior, que nos permite recomeçar.

    Com relação à própria ‘causa e efeito’, a ciência, especialmente a física quântica, vem nos auxiliando a ampliar o entendimento além de uma lógica estritamente “racional”, trazendo-nos os exemplos práticos das partículas que se apresentam simultaneamente como ondas e da relação disto com a mente do observador, dentre outros.

    Engatinhamos ainda no conhecimento do Universo e de nós próprios, mas é como você disse: esta parceria que mais se solidifica entre os espíritos encarnados e desencarnados certamente propiciará enorme crescimento a todos nós.

    Um abraço fraterno!

    ResponderExcluir